Historia

 

História é uma área do conhecimento, que envolve relatos cronológicos de pessoas ou de povos. Como ciência, requer exame crítico de suas fontes de referência.

Por Jonildo Bacelar

A espécie humana, o Homo sapiens, tomou forma há cerca de 300 mil anos, na África. Começou a se espalhar pelo mundo há cerca de 70 mil anos. Por volta de 30 mil anos atrás, os humanos já habitavam todos os continentes, exceto a Antártica, que não possui população autóctone. Na Serra da Capivara encontra-se vestígios de presença humana de cerca de 48 mil anos atrás. Essas migrações ocorreram durante a última era glacial, que terminou há cerca de 11 mil anos. Nesse período, a calota polar do Ártico estendia-se pelo norte da Europa, parte da América do Norte e norte da Ásia.

Hominídeos anteriores ao Homo sapiens já confeccionavam artefatos para caça e para outras atividades, feitos, por exemplo, de pedra lascada. Além disso, já sabiam produzir fogo. Por volta de 40 a 30 mil anos atrás, os humanos já eram artistas e deixaram seus registros em esculturas ou arte rupestre, representando caça e outros aspectos de sua vida.

Por volta de 10 mil anos atrás, os humanos começaram a estabelecer pequenos povoados. Já existiam templos religiosos, agricultura e criação de gado.

Há cerca de 9.000 anos, surgiram as primeiras civilizações conhecidas nos vales do Tigre e Eufrates (nos atuais Iraque e Irã) e regiões vizinhas. Seus modos de vida expandiram-se depois para o Oriente, até a Índia e China.

Entre 6.000 de 5.000 anos atrás, surgiram formas rudimentares de escrita na Mesopotâmia e no Egito. Por volta dessa época, símbolos gráficos, gravados em placas de xisto, eram usados em túmulos, na Península Ibérica. Formas de escrita muito antigas também surgiram na China. Começou, assim, a História, segundo o conceito tradicional. Nessa época, civilizações do Oriente Médio expandiram-se para ilhas do Mediterrâneo. Dominou-se técnicas de metalurgia, especialmente para a fabricação de armas. Aqui se dá a transição do Neolítico para a Idade dos Metais, nas antigas civilizações, e o começo da Idade Antiga da História.

Na América, a escrita desenvolveu-se, de forma independente, no primeiro milênio aC ou antes, na América Central e México.

No princípio, apenas uns poucos dominavam a escrita, que era principalmente usada para divulgar oficialmente os feitos e leis dos governantes e segundo eles. Há cerca de 3.000 anos, autores independentes passaram a escrever sobre diversos temas, como História, Matemática e Cosmografia. Discussões entre sábios tornaram-se mais sofisticadas, envolvendo mais fontes. Nos mil anos seguintes, a humanidade adquiriu mais conhecimento sobre o universo do que nas centenas de milhares de anos anteriores, desde o surgimento do Homo sapiens.

Essa ebulição acadêmica atingiu seu apogeu nos três primeiros séculos da Era Cristã, na antiga Alexandria. Mas o Velho Mundo estava dividido por suas imensas injustiças sociais. A escravidão, por exemplo, era comum. Quando Roma estava impulsionada para se tornar a maior potência daquele Mundo, apareceu Jesus, o Cristo, divulgando um "Reino dos Céus", palavras de compaixão e esperança. Décadas depois, os cristãos estavam em todo lugar do Império Romano e o dominaram no século 4. Nos séculos seguintes, o Velho Mundo tomou um rumo mais espiritual, religioso, seguindo seus apóstolos e profetas. O Oriente e a África Subsaariana seguiram seus próprios destinos, com pouca influência cristã.

Cerca de mil anos depois, o Velho Mundo estava maduro para novos rumos. No século 15, livros começaram a ser impressos na Europa, difundindo o conhecimento em larga escala. Os portugueses iniciaram a era das Grandes Navegação e a América foi conhecida pelos europeus, depois, conquistada. Iniciava-se uma revolução científica e cultural.

Seguiu-se também uma revolução social. A Igreja Católica foi condenada por certas práticas, dando origem a um novo ramo do Cristianismo com os protestantes. O poder dos monarcas foi gradativamente diminuído, com as constituições e os parlamentos.

No século 18, as máquinas começaram a substituir os artesãos. Iniciou-se a independência das colônias americanas. No século 19, a escravidão, que havia retornado no século 16, na América, na África e em parte do Oriente, foi abolida oficialmente. Repúblicas passaram a substituir monarquias, mas as potências europeias continuavam a disputar territórios.

No século 20, arrogância e xenofobia levaram o mundo a duas guerras mundiais. O Comunismo foi testado, então, soube-se que o problema não estava no regime, mas nas pessoas.

No século 21, descobriu-se que a prosperidade deve ser distribuída entre as nações. Ideias não devem ser impostas. Conflitos devem ser negociados. O Planeta deve ser cuidado. Mudanças ocorrem tão rápido, que é difícil se adaptar.

O futuro parece nebuloso, por questões ambientais e pelas imprevisíveis consequências das revoluções tecnológicas, mas não é história ainda.

 

Mais:  • História do Egito

História da China

História da Grécia

História da Itália

História de Portugal

História da Espanha

História da França

História da Holanda

História da Inglaterra

História da Alemanha

História da Rússia

História do Japão

História do Brasil

História dos EUA

História do Canadá

História de Cabo Verde

História da África do Sul

Segunda Guerra Mundial

 

 

 

Temas complementares:

  Divisões Geográficas do Mundo

 • História do Conceito de Terra Redonda

 • Problema das Longitudes

  Mapas Históricos

 

Egito Turismo

 

Mapas mundo
Historia Brasil

 

Italia

 

 

América do Sul

 

Cristóvão Colombo

 

China

 

 

Alexandria antiga

 

Grécia

 

Alexandria

 

Mênfis

 

O Serapeu de Alexandria em uma recriação para o filme Ágora (2009). Fundada por Alexandre Magno, em 331 aC, Alexandria representou o apogeu da cultura clássica na Antiguidade. Sábios de várias partes do mundo encontravam-se aqui para discutir suas teorias. Foi conquistada pelos romanos, em 30 aC, e pelos árabes, em 642, mas os textos acadêmicos produzidos em Alexandria continuaram como referência até o Renascimento, no século 15.

 

Velho mundo mapa

 

Mundo Ptolemeu

 

Historia Imprensa

 

Americo Vespucio

 

Esquimos

 

América Central

 

 

Serra da Capivara

 

O Infante Dom Henrique sobre o Promontório de Sagres, em Portugal, vislumbra as conquistas marítimas portuguesas, no século 15 (parte da tela do artista português José Malhôa, 1905. Pinacoteca do Real Gabinete Português de Leitura, em Lisboa).

Após conquistar Ceuta, em 1415, os portugueses seguiram dominando territórios na costa oeste da África. Dobraram o Cabo da Boa Esperança, em 1488, e chegaram às Índias pelos oceanos. O Brasil foi descoberto no caminho. Em 1509, os portugueses derrotaram os árabes na Batalha de Diu e tornaram-se os senhores do comércio no Oceano Índico e Atlântico Sul. Na primeira metade do século 16, Portugal era a maior potência mundial, com seus feitos contados em versos por Camões. Portugal era também a maior potência tecnológica da época.

A ousadia portuguesa decidiu o rumo da História. Seguindo o exemplo lusitano, vieram depois Espanha, França, Inglaterra e Holanda. Mais: As Grandes Navegações

 

 

Europa

 

 

Piramides

 

 

 

Copyright © Guia Geográfico - História Geral.

 

 

 

Guia Geográfico